Uma pessoa que é boa com você, mas grosseira com o garçom, não pode ser uma boa pessoa.
Ontem chorei. Por tudo que fomos. Por tudo o que não conseguimos ser. Por tudo que se perdeu. Por termos nos perdido. Pelo que queríamos que fosse e não foi. Pela renúncia. Por valores não dados. Por erros cometidos. Acertos não comemorados. Palavras dissipadas.Versos brancos. Chorei pela guerra cotidiana. Pelas tentativas de sobrevivência. Pelos apelos de paz não atendidos. Pelo amor derramado. Pelo amor ofendido e aprisionado. Pelo amor perdido. Pelo respeito empoeirado em cima da estante. Pelo carinho esquecido junto das cartas envelhecidas no guarda- roupa. Pelos sonhos desafinados, estremecidos e adiados. Pela culpa. Toda a culpa. Minha. Sua. Nossa culpa. Por tudo que foi e voou. E não volta mais, pois que hoje é já outro dia. Chorei. Apronto agora os meus pés na estrada. Ponho-me a caminhar sob sol e vento. Vou ali ser feliz e já volto.
Eu nunca te pedi pra mudar, não por mim. Se um dia tivesse que mudar, teria que ser por você, acima de qualquer coisa. Eu queria apenas um pouco mais de atenção, e quem sabe, um pouco mais de carinho. Eu sei é o teu jeito. Mas saiba que me irrita, quem se esconde atrás dessa fala. Dizem que quando se gosta de algo ou alguém, a gente cuida, protege, quer estar perto, fazer parte da vida. Mas esse não foi o nosso caso. Eu aqui, trocando prioridades, te dando atenção e carinho, a ponto de fazer com que meus amigos sentissem ciúmes de ti. E você ai, no seu mundo. Dizendo que esse é o teu jeito. Dizendo que cuida e gosta da sua maneira.
Eu vou dormir de conchinha contigo, te admirar dormindo e te acordar no meio da noite com beijos, só porque não vou resistir apenas te observar. Vou te levar café na cama, com aquele suco de manga que você adora e pães de queijo quentinhos, do jeito que você gosta. Você vai trabalhar, eu também e quando chegarmos em casa, eu lhe perguntarei como foi seu dia e você perguntará sobre o meu. Nunca faltará assunto entre nós, nem amor, nem vontade de estar perto. Nos fins de semana, nós vamos limpar a casa, ouvindo as músicas que você mais gosta, eu vou te molhar enquanto lavo a louça, você vai rir sem parar, então nós vamos fazer uma guerra de água e nos beijaremos no chão da cozinha. No fim da tarde, nós assistiremos a um filme de terror, com pipoca, brigadeiro e coca-cola. Sabendo que eu morro de medo de filmes de terror, você vai me abraçar bem forte e me beijará, pra que eu desvie minha atenção do filme… Eu me sentirei tão protegida, ali, contigo. Como se nada pudesse me atingir. E não poderá, porque eu terei você e tudo fica bem ao seu lado. O filme acabará e jogaremos video game, quem perder lava a louça. Você vai me deixar ganhar, mas eu vou te ajudar a limpar tudo, mesmo assim. À noite, nós deitaremos juntos, teremos uma noite de amor, então eu deitarei no seu peito e adormecerei ali, nos seus braços, de onde eu nunca devo sair. É isso o que eu imagino pras nossas vidas, pra sempre e, sabe meu amor, eu estou te esperando pra que tudo isso se torne realidade.

(Source: summings)

(Source: mondvay)